pb.abra

Apesar da reabertura, faturamento ainda decepciona empresários. Nível de endividamento do setor também é alto e preocupa

Responsáveis por mais de seis milhões de empregos no Brasil antes da pandemia, os bares e restaurantes operam hoje com menos funcionários – e a perspectiva da maioria é não contratar no curto prazo, se o faturamento continuar decepcionando. Foto: Divulgação Abrasel

Nova pesquisa nacional da Abrasel indica que a recuperação após a reabertura na maioria das cidades do país está melhor do que a associação previa para o período, mas ainda desaponta muitos empresários. Mais da metade (53%) dos donos de bares e restaurantes diz que suas empresas operam no prejuízo – e para 52% deles o faturamento está abaixo da expectativa na retomada. Em setembro, com a extensão do horário de funcionamento em algumas capitais, houve ligeira melhora nas receitas. Mesmo assim, 56% dos empresários dizem estar faturando menos da metade do que no mesmo período do ano passado.

“Em algumas cidades ficamos fechados por seis longos meses, e no começo da retomada só nos foi permitido abrir em horários muito restritos. Agora começa uma flexibilização maior e a expectativa é termos uma retomada gradual do faturamento. Alguns perfis de empresa estão sofrendo mais, como os que atendem as classes A e B. Outros, como os que têm perfil de público C e D, estão tendo uma retomada melhor, parte explicada pela renda relacionada aos benefícios emergenciais. Em volume estimo que já chegamos a 60% do que era na mesma época de 2019, antes da pandemia”, diz Paulo Solmucci, presidente-executivo da Abrasel.

Para ele, este último dado confirma a expectativa da associação de que com o equilíbrio da oferta, já que 30% dos estabelecimentos deixou de operar, quem sobreviver até dezembro voltará a fazer o faturamento pré-crise.

A pesquisa, realizada nos 27 estados, apontou também um alto nível de endividamento das empresas. Nada menos que 62% disseram ter contraído empréstimos para sobreviver durante a crise – e outros 18% afirmam haver tentado, mas receberam negativa dos bancos. Quase um terço (30%) dos respondentes estima levar até dois anos para trazer as dívidas a um patamar normal ou aceitável.

“A pesquisa mostra que quem conseguiu sobreviver terá um caminho duro pela frente nos próximos meses e até nos próximos anos. O setor precisa de atenção contínua para assegurar os empregos e ter alguma perspectiva de recontratação”, afirma Solmucci.

Responsáveis por mais de seis milhões de empregos no Brasil antes da pandemia, os bares e restaurantes operam hoje com menos funcionários – e a perspectiva da maioria é não contratar no curto prazo, se o faturamento continuar decepcionando. Dos respondentes, 57% dizem não ter a intenção de contratar agora. E dos que dizem pretender fazê-lo, a expectativa da maioria é aumentar o quadro em apenas 10%.

A pesquisa também avaliou a percepção dos empresários quanto ao aumento dos insumos na retomada. Sem estoques, devido ao longo tempo fechado, o susto foi grande na hora de reabastecer a cozinha: quase metade (47%) avalia que o preço dos insumos está pelo menos 15% mais caro do que era antes da pandemia, um número bem acima da inflação geral. Com o aumento, muitos têm de repassar parte dos custos para o cardápio. Metade dos empresários (50%) afirma ter aumentado os preços dos pratos entre 6% e 10%. Com os custos em alta e faturamento ainda abaixo do ideal, 23% esperam levar seis meses para equilibrar o caixa, e outros 20% dizem esperar alcançar o equilíbrio em até um ano.

Confira na Rede Abrasel os resultados da pesquisa

Comentários